Jesus, a nossa Páscoa!

A Páscoa é uma mensagem de amor vinda diretamente do coração de Deus para cada um de nós.

Há muito tempo atrás, quando os filhos de Israel viviam debaixo de opressão sob a mão dos egípcios, Deus preparou um caminho para a libertação deles. Faraó mantinha Israel debaixo de terrível jugo porque se aproveitava de seu trabalho escravo, o que acontecia já pelo espaço de quatrocentos e trinta anos. Mas houve um momento em que Deus disse: Basta!

Por meio da liderança de Moisés as ordens começaram a ser dadas. Em certa noite um anjo passaria por todo o Egito à meia-noite. Toda casa em cujos umbrais não houvesse um sinal de sangue, o anjo entraria e mataria o primogênito (primeiro filho) daquela família. Mas no lugar onde houvesse o sinal do sangue haveria livramento.

Para que o sangue fosse obtido era necessário que um cordeiro morresse. Ele padeceria em lugar do primogênito. Todas as famílias de Israel que acreditaram na mensagem divina fizeram conforme a direção recebida. Separaram um cordeiro macho, sem defeito. Comeram da sua carne e aplicaram seu sangue nas vergas e umbrais das portas das casas em que habitavam. Ao passar o anjo e ao avistar o sinal do sangue, “passava por cima” das casas e não feria a ninguém. Daí a origem da palavra Páscoa, do hebraico Pesach, que significa “Passagem”. A passagem por cima das casas poupando da morte o primogênito só foi possível por causa do sangue do cordeiro derramado e aplicado em lugar visível. Naquela mesma noite Israel saiu do Egito com tudo o que lhe pertencia, em direção à Terra Prometida, lugar onde se estabeleceria depois de alguns anos.

A partir desse evento, todos os anos a nação era lembrada do fato de que através da morte de um cordeiro houve livramento para todos. Um cordeiro morreu em lugar do homem.

Mas o animal que morria pelos outros era apenas uma figura do verdadeiro Cordeiro que um dia havia de se entregar em favor de toda a humanidade. Estamos falando de Jesus. Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo – João 1:29.

Há dois mil anos que Ele se ofereceu a Si mesmo para nos resgatar dos nossos pecados e nos trazer livramento. Assim como o cordeiro da páscoa morria pelo primogênito, assim Cristo tomou o nosso lugar na cruz. Hoje o seu sangue é aplicado não mais nas vergas e umbrais de uma casa física e terrena, mas sim no nosso coração.

A grande boa notícia é que Cristo ressuscitou dentre os mortos ao terceiro dia e dessa forma venceu o pecado, a doença, a dor e a própria morte.

Cristo ressuscitou ao terceiro dia e através desse grande milagre, todos os que estavam tristes e desesperados com a sua partida, puderam se regozijar novamente.

E aqui estamos nós, nesta manhã da ressurreição, felizes porque o nosso Amado Senhor Jesus está vivo e pronto para interceder em nosso favor sempre que precisarmos.

O meu desejo é que hoje você possa ver seus sonhos ressurgindo dentre os escombros. Mais do que isso: veja Cristo mesmo ressurreto em seu coração. Não o Cristo dos livros ou dos crucifixos nos templos – mas o Cristo verdadeiro e real. Aquele que quer fazer parte da sua vida de forma íntima e pessoal.

Textos bíblicos: Êxodo 12:1-14; Êxodo 12:21-28; Marcos 15:22-39; João 1:29; João 20:1-18; 1 Coríntios 5:7-8

 

Texto: Pr. Wilson Maia – Igreja Nacional do Senhor Jesus Cristo (Insejec)

Ao mestre, com amor

Uma das figuras mais presentes em nossas vidas, especialmente quando criança, adolescente e jovem, é o professor. Primeiro ele (ou ela) aparece na forma de “tia”. A “tia” nos acompanha do maternal até o final do que hoje em dia chamam de primeira fase do ensino fundamental (ou 4ª série, como se dizia na minha época). Depois os professores entram em cena exigindo que os chamemos assim: “professor”. E tem professor de tudo quanto é jeito. Professor de português, professor de matemática, de história, de geografia. Tem o professor da natação, o do futsal. Tem também o da escola bíblica. Tem o do curso de inglês, o do cursinho pré-vestibular. Até que aparecem os da faculdade. Lá, tem aqueles que são mestres, outros que são doutores e até os que são PhD.

Continue lendo

Ele Escolheu os Cravos

Este post inaugura uma nova categoria aqui no meu blog que se chama “eu li”. Aqui eu vou escrever breves resenhas sobre livros que eu li. Não apenas dos livros bons que eu indicaria, mas de todos. Até porque eu posso achar um livro ruim e você amar o mesmo. Acontece.

E para essa inauguração o livro escolhido foi “Ele Escolheu os Cravos”, de Max Lucado, que eu  li em março deste ano.

Continue lendo

O Amor

O Amor“Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o sino que ressoa ou como o prato que retine. Ainda que eu tenha o dom de profecia e saiba todos os mistérios e todo o conhecimento, e tenha uma fé capaz de mover montanhas, se não tiver amor, nada serei. Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado se não tiver amor, nada disso me valerá. O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca perece; mas as profecias desaparecerão, as línguas cessarão, o conhecimento passará. Pois em parte conhecemos e em parte profetizamos; quando, porém, vier o que é perfeito, o que é imperfeito desaparecerá. Quando eu era menino, falava como menino, pensava como menino e raciocinava como menino. Quando me tornei homem, deixei para trás as coisas de menino. Agora, pois, vemos apenas um reflexo obscuro, como em espelho; mas, então, veremos face a face. Agora conheço em parte; então, conhecerei plenamente, da mesma forma como sou plenamente conhecido. Assim, permanecem agora estes três: a fé, a esperança e o amor. O maior deles, porém, é o amor.”

1 Coríntios 13. Simplesmente lindo.

A Cabana

https://i0.wp.com/img196.imageshack.us/img196/1991/acabanal.jpg

A propaganda foi grande. Muita gente já tinha me falado e falado bem do livro A Cabana, de William P. Young. Era incrível o entusiasmo com que todos os que tinham lido o livro falavam a seu respeito. Sempre que eu passava na seção de livros dos grandes supermercados, lá estava ele. Não muito caro, cerca de 20 reais, capa bonita, uma velha cabana, e aquelas letrinhas não muito grandes em dourado que diziam “Primeiro lugar na lista dos mais vendidos do The New York Times” e uma enorme vontade de lê-lo. Mas nunca comprava. Até que no último dia 8, meu aniversário, eu o ganhei de um amigo. Fazer o que, então? Ler logo!!!

A Cabana conta a história de um homem, Mackenzie Allen Phillips, ou simplesmente Mack, que perdeu a sua fé em Deus. Não que o Mack seja um cara mau, não é isso. Mas é que ele passou por muita coisa na vida e essas coisas acabaram o afastando de Deus. Mas Papai, ops… Deus o amou tanto que o chamou para um surpreendente encontro.

acabana_capaSem dúvidas A Cabana foi o melhor livro que li esse ano. Através da história de Mack e seu encontro com Deus pude compreender melhor o quanto Deus me ama e de que modo ele faz isso. Pude perceber que ele está aqui, ali, em todo lugar, só me esperando, nos esperando para termos o mais incrível relacionamento que alguém pode ter. Porque ele em si é um relacionamento. O Pai, o Filho e o Espírito Santo são um relacionamento perfeito e Ele, ou Eles, nos chama a fazer parte desse relacionamento. Mas como? Só lendo A Cabana para saber!

William P. Young, magistralmente, conduz as linhas dessa ficção de forma a nos envolver na história de Mack. É incrível como a todo o momento nos vemos na pele de Mack. Nos seus dilemas, nas suas dúvidas, nas suas opiniões. Creio que todos nós, pelo menos alguma vez na vida, já nos perguntamos: “se Deus é tão poderoso, por que não faz nada para amenizar o nosso sofrimento?” ou então “por que Deus permite que coisas más aconteçam a pessoas boas?”. Nesse livro Young consegue responder mais perguntas sobre Deus do que em muitos livros de teologia cristã. E sabe o que é melhor? De maneira fácil e agradável, como um simples diálogo entre amigos.

Então, caro leitor, o encorajo a ler A Cabana o mais rápido possível. Corra até a livraria mais próxima e adquira esse livro que vai marcar a sua história e o seu relacionamento com Deus. E acredite: se não fosse tão bom assim, eu não perderia o meu tempo escrevendo esse texto.

Ah, só pra você sentir o gostinho eu separei essa frase do livro, olha só isso que Deus fala: “— Você não experimenta uma forte sensação de liberdade ao saber que não pode nos oferecer nada [a Deus], pelo menos nada capaz de acrescentar ou diminuir o que somos?”

Missyproject

Esse post faz parte do Projeto Missy, que tem como objetivo divulgar o livro A Cabana e fazer com que o maior número pessoas possam lê-lo, e, a partir daí, tenham seus relacionamentos com Deus verdadeiramente impactados.

Pra matar as saudades da infância

Hoje pela manhã, meio que de repente, me veio a memória um desenho animado que eu assistia quando era criança: Where on Earth is Carmen Sandiego, ou como eu prefiro chamar, simplesmente, Carmen Sandiego. Aí fui ao YouTube pra matar as saudades. Chegando lá, achei diversos vídeos de aberturas de desenhos animados. E como na próxima segunda-feira, dia 8 de junho, eu completo 20 anos, pensei em fazer este post em homengem aos DESENHOS ANIMADOS DA MINHA INFÂNCIA. Procurando por eles no YouTube, percebi que são bem mais do que euimaginava. Selecionei dez deles. Espero que vocês também matem as saudades.

 

1. Pra começar, aquele que me fez fazer esse post EM QUE LUGAR DA TERRA ESTÁ CARMEN SANDIEGO?

 

2. CAVALO DE FOGO

 

3. HE-MAN  

  

4. URSINHOS CARINHOSOS

  

5. Essa abertura é massa! O FANTÁSTICO MUNDO DE BOBBY

  

6. PUNK – A LEVADA DA BRECA

  

7. DOUG

  

8. THUNDERCATS

  

 9. DÊNIS – O PIMENTINHA

 

 10. E pra fechar com chave de ouro: FAMÍLIA DINOSSAUROS

 

Pois bem, criei esse TOP 10, mas muitos outros poderiam entrar nessa seleção. Ficaram de fora Os Jacksson, Capitão Planeta, Caverna  do Dragão e muitos outros. Quem sabe numa próxima, não é mesmo?

Com Deus, no fim, nem que seja só no fim, tudo dá certo

De uma coisa eu tenho certeza: Jesus me ama. E tenho certeza de outra coisa: Jesus te ama também. A Bíblia diz em João 3:16 “Porque Deus tanto AMOU o mundo que deu o seu Filho Unigênito para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna ” . E como Jesus e o pai são um só [Jo. 10:30], então Jesus me ama.

Lendo a Bíblia esta semana, uns trechinhos que me chamaram a atenção. É que os evangelistas fizeram questão frisar que Jesus amava algumas pessoas. Especificamente. Agora me lembro de algumas: uma foi o um rapaz que a Bíblia simplesmente o chama de “Jovem Rico” [Mc. 20:21 – Jesus olhou para ele e o amou]; outra foi o seu discípulo João [Jo. 21:20 – Pedro voltou-se e viu que o discípulo a quem Jesus amava os seguia]; e os outros que lembro são os irmãos Lázaro, Marta e Maria [Jo. 11:5 – Jesus amava Marta, a irmã dela e Lázaro], e é deles que quero falar hoje. A história desses três irmãos é contada em João 11.

Começa falando que Jesus fica sabendo que Lázaro está muito doente. E Jesus amava a Lázaro. E Jesus podia fazer algo por Lázaro. Mas diz que Jesus, quando soube da notícia, ficou ainda dois dias onde estava. [Jo. 11:6 – No entanto, quando ouviu falar que Lázaro estava doente, ficou mais dois dias onde estava].

Mas por quê? Porque Jesus sabia que aquela doença não era para morte, e sim para a glória de Deus [Jo. 11:4 – Ao ouvir isso, Jesus disse: “Essa doença não acabará em morte; é para a glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por meio dela”].

Quantas vezes nós pensamos que estamos sofrendo muito e que Deus não está fazendo nada por nós? Eu mesmo, várias. Acho que nosso amigo Davi [aquele dos Salmos que foi rei de Israel] também pensou assim algumas, tanto que nos próprios Salmos não são poucas as vezes que ele diz “Apressa-te, ó Deus, em me livrar; Senhor, apressa-te em socorrer-me” [Sl. 70:1]. Mas devemos lembrar que tudo está sob o controle dEle. É como eu sempre digo: Com Deus, no fim, nem que seja só no fim, tudo dá certo.

Temos que aprender a esperar pelo tempo de Deus, o tal do kairós. Estamos muito acostumados com o nosso chronos, o nosso tempo de horas, minutos e segundos contados. E nos desesperamos. Marta e Maria também se desesperaram quando o irmão delas morreu [Jo. 11:21 – Disse, pois, Marta a Jesus: Senhor, se meu irmão não teria morrido. Jo. 11:32 – Tendo, pois, Maria chegado ao lugar onde Jesus estava, e vendo-a, lançou-se-lhe aos pés e disse: Senhor, se tu estiveras aqui, meu irmão não teria morrido.] Muitas vezes o que Deus quer é operar coisas maiores em nós. Curar é um grande milagre, mas ressuscitar é um milagre muito maior. Mas para ressuscitar é preciso morrer antes.

Então, vamos deixar Deus manifestar a Sua glória em nós e nos que estão ao nosso redor. Não impeçamos Jesus de fazer os Seus milagres pela nossa incredulidade [Mt. 13:58 – E não fez ali muitos milagres, por causa da incredulidade deles.], mas creiamos, como fez Marta [Jo. 11:22 – E mesmo agora sei que tudo quanto pedires a Deus, Deus to concederá.]. Por que “sem fé é impossível agradar a Deus” [Hb. 6:11].

Lembremo-nos sempre que “Jesus disse: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo aquele que vive, e crê em mim, jamais morrerá.” [Jo. 11:25-26].

Apesar do desespero das irmãs de Lázaro e do que muitos diziam, como “Não podia ele [Jesus], que abriu os olhos ao cego, fazer também que este não morresse?” [Jo. 11:37], como eu já disse aqui, com Deus, no fim, nem que seja só no fim, tudo dá certo.

Naquele dia Jesus pediu que o levassem ao lugar onde tinham sepultado o Lázaro. E já era o quarto. Imagino até a cara de nojo de Marta dizendo “Senhor, já cheira mal, porque está morto há quase quatro dias.” [Jo. 11:39]. Isso, minutos antes de Jesus mandar remover a pedra, orar a Deus e dizer “Lázaro, vem para fora!” [Jo. 11:43]. E então “Saiu o que estivera morto, ligados os pés e as mãos com faixas, e o seu rosto envolto num lenço. Disse-lhes Jesus: Desligai-o e deixai-o ir.” [Jo. 11:44].

Coisas assim podem acontecer nas nossas vidas também. Quantas vezes nos sentimos nós mesmos como mortos. Então, vamos escutar a voz de Jesus que nos diz vem para fora. Porque “se crermos, veremos a glória de Deus” [Jo. 11:40].

PS: A qualidade do video não é essas coisas todas, mas como o post foi sobre a história de Lázaro, acompanha esse clip da banda Oficina G3. A música é “Eu, Lázaro”.